Únicas fotos galeria de fotos

[VENDO] Laptops para todes

2020.10.06 05:49 argefox [VENDO] Laptops para todes

Ahora que capté tu atención con un título inclusivo, paso a detallar.
Tengo 12 laptops Dell para vender (detalles abajo). Porqué 12? Hasta hace poco manejaba el departamento IT de una multi. Pasados los 3 años del soporte Gold de Dell, no te lo renuevan por menos del costo de un modelo nuevo, por lo tanto se stockeaban indefinidamente hasta que me dejaban donarlas. Detalles pormenores de un concurso de acreedores previo a la pandemia, me quedaron estas 12 el día que tuve que bajar la térmica del datacentedepósito.
Llevan 1 año guardadas en casa y mi mujer en cualquier momento me manda a hacerme un igloo al patio con las laptops. Viendo que hay algo de demanda y los precios se fueron al chori, posteo aca primero a ver si a alguien le sirven.
Modelos:
Latitude E5410, E5420, E6420, V130
Todas con lectora de DVD/re-grabadora de CD, 4GB RAM, 320HDD, pantallas de 15.5 y procesadores I5; baterías en buen estado general. Esta es la única pieza que eventualmente hay que cambiar por obvios motivos, están caminadas y llevan tiempo sin usarse, pero están todas en status "Good" en el BIOS, y por lo menos dan 2 horas de autonomía. Hay versiones alternativas por 2k, y originales por algo así como 7.5K según ví en ML.
Tienen alguna marca en los bordes por llevarlas en mochilas, pero nada más.
Son todas línea caballo de batalla Dell, al contrario de las Inspiron que copiaban más la idea del diseño y elegancia de las Vaio, pero eran muy frágiles y poco confiables para gente de viaje por el interior, nunca compramos esas salvo para los Gerentes que no salían ni para comer y vivían en el taller o llamando a soporte por recambio de piezas.
Precios:
E5410, es el modelo más viejo, se va por 40mil. No tiene HDMI, es la única contra. El diseño es un poco más "retro" y cuadrado. Tiene e-Port para docking station, que se puede comprar aparte y si tenés un monitoTV y queres armarte una oficina en casa, llegás, la dockeas, y ves ese porno en HD en la tele del living como siempre quisiste.
E5420; 50mil peronios. e-Port y HDMI.
E6420; 55mil. Son idénticas en hardware, cambia el diseño exterior. También dockeable y con HDMI.
V130; 60mil. Esta es ultraliviana, muy elegante estilo Mac. No tiene e-Port. Tiene HDMI. No tiene lectora de CD/DVD porque es finita como digamos... 1 salchicha Vienísima. No las de Viena originales, esas son más gorditas y esto se está desvirtuando.
Los e-Port soportan doble monitor con out a VGA; HDMI y DisplayPort. Hay adaptadores de DPort a HDMI por 90p.
No sé cómo va a salir esto ni realmente si la gente se anima a comprar algo tan caro; puedo armar una publicación en ML para que se sientan "protegidos"; pero por datos recientes, eso no está pasando. El precio puede sufrir variación por el recargo de ML (no tengo idea cuánto sería)
Salen instaladas con Win10, Office16, Avira Security Suite, cargador original y una de un CD que armé chiflando los mejores y menos conocidos éxitos de Sandro.
Entrego únicamente a domicilio, o si están por una zona turbia, en algún punto a convenir donde no nos afanen/me afanen. Se prueban sin compromiso, sino gusta, solo gasto un poco de gasoil y fé en vender estas cosas (lease la parte de vivir en un igloo de alta tecnología).
Los precios no son negociables a menos que quieran más de una.
Estuve pensando en la garantía, la idea es probarlas y se queden con la tranquilidad que no están comprando un fiambrín. Si les genera más confianza, la pueden retirar por mi domicilio en Avellaneda, se prueban acá, y si tienen problemas luego, bueno, saben donde vivo y siempre me pueden dejar una rata muerta en el buzón.
No me deja subir fotos MercadoReddit porque no sea cosa que empiecen a vender fotos de pies o algo así, pueden pedirlas por DM directamente y recibirán fotos del modelo/los modelos que quieran, y posiblemente una foto aleatoria de mi galeria de horrores y pasacalles del conurbano.
Preguntas? DM; propuestas indecentes, DM; trueque? DM! En serio, una consola, una TV, se pueden considerar, no las vendo por urgencia económica, otra vez, mi mujer me tiene las pelotas llenas de "saca esas computadoras de mierda vendelas y comprate ropa que no te entra nada empeza a cuidarte estás hecho un lechón dejá de gastar un pan de manteca en cada panqueque animal" No usa muchos signos de puntuación cuando hila una oración hiriente y verdadera.
Saludos!

Edit1:
Galerias de fotos.
V130 - https://imgur.com/a/sgcqcvJ
No encuentro memoria de 4 y la foto está con 2GB de RAM, pero el disco es de 500GB; sale con 4 y disco de 320. O podría dejarle el de 500 porque me da mucha paja cambiarla. V130 me queda solo una, la otra no enciende, supongo que es la batería, asíque LLAME YAAAAAAaaaAaaA
5410 - https://imgur.com/a/dUOy0Rj
La más rústica pero no se le achica a nadiey puede vivir en zonas húmedas y pantanosas. Si funciona en la Autónoma y Agitadora República de Gerli (Partido de Avellaneda), funciona en cualquier lado.


submitted by argefox to Mercadoreddit [link] [comments]


2018.07.15 00:57 IgorPasche Alguém aqui liga pra rainha da Inglaterra?

Título.
Hoje me deparei com essa notícia.
Eu, mero sul americano, custo a acreditar que tem jornal NO BRASIL (longe PRA CARALHO DA INGLATERRA) que fica publicando matéria de uma pessoa que só veio pro Brasil UMA ÚNICA VEZ.
Na moral, qual é o problema dessas pessoas? Elas gostam de ser estúpidas, é isso?
/rant
submitted by IgorPasche to brasil [link] [comments]


2017.11.29 20:20 tombombadil_uk Today I fucked up: a estranha sensação de reencontrar um amor do passado 12 anos depois / Parte 3

Galera, finalmente postando a última parte da saga. Depois de pensar para caralho, resolvi falar com ela pelo Facebook e marcamos de nos encontrar num café pertinho da praça onde nos esbarramos. Para quem não conhece a história desde o começo:
Parte 1 - TL/DR: sou casado, reencontrei uma garota por quem eu era apaixonado há 12 anos e só nesse reencontro eu percebi como eu fui um imbecil com ela. Em resumo, nós éramos grandes amigos, eu fiquei com medo de me declarar, meti o pé do curso de inglês que fazíamos sem dar nenhuma explicação e desapareci completamente da vida dela.
Parte 2 - TL/DR: comecei a me perguntar se aquela garota que eu reencontrei realmente era ela, já que ela parecia tão mais velha. Depois de dezenas de tentativas, achei ela no Facebook e sim, realmente era ela. Descobri que um amigo meu já tinha saído com uma prima dela há muito tempo e soube que ela teve uma vida bem escrota, foi abandonada por um marido meio babaca e agora basicamente vivia só pelo filho na casa dos pais.
Parte 3 - Taí. Nos reencontramos. Foi uma experiência que eu não sei classificar. Foi feliz, foi triste. Foi amargo, foi doce. Foi impressionante. A gente chorou um pouco junto. Escrevi um pouco ontem à noite e terminei hoje de manhã.
Só queria agradecer a todos os conselhos e dicas que recebi aqui. Reencontrar alguém do passado é uma coisa que mexe muito com a gente, faz com que nosso coração se sinta naquela época novamente. Essas quase três semanas foram muito estranhas. Foi quase uma viagem no tempo por coisas que eu achava já ter esquecido completamente. Infelizmente não posso dividir muito disso com amigos próximos, então fica aqui o desabafo.
Esse último ficou mais longo do que eu esperava. Honestamente, a gente conversou tanto que acho que resumi até demais. Como da primeira vez, fiz em formato de conto. Novamente, obrigado a todo mundo que deu um help nessa história, que finalmente se fechou.
Era um café bonito. Novo da região, era um daqueles negócios em que você vê o coração de um sonho do dono. As mesas rústicas de madeira, as lâmpadas suspensas que desciam do teto em fios de prata, como teias de aranha tecidas por vagalumes. O quadro negro cuidadosamente preenchido com os preços e até desenhos estilizados de alguns pratos. No fundo, um jazz instrumental marcava presença de forma tênue. Também era um daqueles negócios que você sabe que não vai durar muito. Que você bate o olho e pensa: “com essa crise, é melhor eu dar um pulo lá antes que feche”.
Eu presto atenção a cada detalhe ao meu redor. À roupa preta das atendentes, ao supermercado do outro lado da rua que vejo pela vitrine. Aos clientes que entram e saem de uma loja das Casas Pedro. Eu não quero esquecer de absolutamente nada. Era um ritual meu que fiz pela primeira vez aos 14 anos. Sempre tive boa memória, mas naquela época eu me esforcei para colocá-la inteiramente em ação. Era um verão e eu estava prestes a reencontrar uma prima que, anos atrás, fora minha primeira paixão. Ela nos visitava de anos em anos e, três anos após trocarmos beijos juvenis debaixo do cobertor, ela havia acabado de chegar à casa dos meus avós, onde se hospedaria.
Naquela noite, eu não consegui dormir. Por volta das 4h da manhã, peguei meu cachorro e caminhei 15 minutos em meio à madrugada até a casa da minha avó. Não, não fui fazer nenhuma surpresa matinal ou pular a janela em segredo. Eu apenas fiquei do outro lado da rua e observei tudo ao meu redor. “Eu vou lembrar desse reencontro para o resto da minha vida”, pensei, do alto dos meus 14 anos. “Eu quero lembrar de cada detalhe”.
E até hoje eu lembro. Da rua cujo chão estava sendo asfaltado, mas onde metade da pista ainda exibia os bons e velhos paralelepípedos. Das plantas da minha avó balançando ao vento, o som singelo dos sinos que ela mantinha na varanda e davam àquilo tudo um clima quase de sonho. Do meu cachorro, fiel companheiro que viria a morrer dois anos depois, sentado ao meu lado com metade da língua para fora. Do frescor da madrugada que precedia o calor inclemente das manhãs do verão carioca.
Mas não é dessa memória - e nem dessa paixão - que eu falo no momento. Eu falo dela. Dela, que eu reencontrei depois de tanto tempo. Que eu julgava já ter esquecido. Que, apenas mais de dez anos depois, eu percebi que tinha sido um babaca ao desaparecer sem qualquer despedida. Mesmo que ela jamais tivesse segundas intenções comigo, mesmo que fosse apenas uma boa amiga, eu havia errado. E aquela era o dia de colocar aquilo, e talvez mais, a limpo.
Foram três semanas de tortura comigo mesmo. Desde que achara seu perfil no Facebook e ouvira de um amigo em comum notícias de uma vida triste, seu rosto não me saía da cabeça. Ao menos uma vez por dia, eu pagava uma visita ao seu perfil e mirava aqueles olhos. As fotos, quase todas ao lado da mãe e do filho pequeno, tinham um sorriso fugaz encimado por olhos dúbios, tristes. Eles lembravam-me de mim mesmo. “Você tem um olhar de filhote de cachorro triste, por isso consegue tudo que quer”. “Você parece feliz, mas sempre que para de falar por um tempo, parece ter uns olhos tão tristes”. “Essa cara de pobre-coitado-menino-sofredor é foda de resistir, dá vontade de levar para casa e dar um banho”. Eu já havia perdido a conta de quantas vezes ouvira aquilo das minhas ex-namoradas e ficantes da faculdade. Os dela não eram muito diferentes. Quando ela finalmente apareceu, com sete minutos de atraso, eu pude perceber.
Meu coração parou por uma fração de segundo e depois disparou, como se os sineiros de todas as catedrais que haviam dentro de mim tivessem enlouquecido. Era engraçado como algumas pessoas passavam vidas inteiras sem mudar o jeito de se vestir. Ela ainda parecia com aqueles sábados em que nós nos encontrávamos no curso de inglês: os tênis All-Star, a calça jeans clara, uma camiseta simples - de alcinha, branca e com corações negros estampados - e o cabelo com rigorosamente o mesmo corte. “Talvez por isso que foi tão fácil reconhecê-la, mesmo depois de todo esse tempo”, pensei. Ou talvez eu reconhecesse aquele rosto e aqueles olhos - antes tão vivos e alegres - em qualquer lugar. Eu jamais saberia.
Como qualquer par de amigos que não se vê há milênios, falamos de amenidades no começo. Casei, separei. Sou funcionária pública, ela dizia. O relato do meu amigo, eu descobria agora, não estava perfeitamente certo. Ela não havia se demitido do trabalho, apenas se licenciado por algum tempo. “Fui diagnosticada com depressão”, ela admite, sem muitas delongas ou o constrangimento que tanta gente tem sobre o tema. “Meu casamento estava indo muito mal e eu desabei. Mas agora tá tudo bem”. Não estava, não era necessário ser um especialista para notar aquela tristeza escondida no canto do olhar.
Falei da minha vida para ela também. Contei que a minha ex-namorada que ela conheceu não deu certo e que, naquela época de fim da adolescência e início da vida adulta, eu tinha muita vergonha de falar sobre o que eu passava. Ela praticava gaslighting comigo, tinha crises de ciúme incontroláveis, me fazia sentir um crápula por coisas que eu sequer havia feito. “Você parecia tão feliz com ela”. “Eu finjo bem”, admiti. “E eu tinha vergonha de mostrar para os outros o que passava. Homem dizendo que a mulher é abusiva? Eu não queria que ninguém soubesse”.
Após quase meia hora de amenidades, eu exponho o elefante na sala de estar. Na verdade, quem começa é ela. Quando a adicionei no Facebook, falei que tinha esbarrado com ela na rua e que ficara com vergonha de cumprimentá-la na hora. Mas que queria muito revê-la depois de tanto tempo, tomar um café, falar sobre a vida. “Por que você sumiu?”, ela pergunta, no meio de um daqueles silêncios que duram mais do que deveriam. Eu tremi por dentro, mas não havia como continuar escondendo.
No começo, falei o básico. Que era de família humilde, como ela bem lembrava, e que o parente que pagava meu curso havia descoberto um câncer. Poucos meses depois, eu perdi meu emprego. Tudo isso num intervalo curto, de três ou quatro meses e perto da virada do ano. “Me ligaram do curso e ofereceram um desconto. Eu era pobre, mas sempre fui orgulhoso. Naquela época, era mais ainda. Burrice minha. Se bobear, eles iam acabar me oferecendo uma bolsa”. “Eles iam”, ela responde. “O Francisco - dono do curso - era maluco por você. Você era um ótimo aluno”. Ela dá um gole no mate que pediu. Meu café esfria ao meu lado. “Mas por quê você não falou nada comigo?”, ela continua.
Eu sabia que estava num daqueles momentos em que poderia mudar radicalmente o dia. Porque eu poderia ter mentido. “Eu não falei porque fiquei com vergonha de ter perdido o emprego”. “Eu não falei porque eu estava muito triste: parente próximo com câncer, desempregado, meu relacionamento com uma pessoa abusiva”. Eram mentiras com um pouco de verdade, mas não revelavam o grande problema. Naquele fim de tarde, eu escolhi não mentir. Nem me esconder. E eu já tinha ensaiado essas palavras dezenas de vezes nas últimas semanas.
“Olha, eu não sei se dava para reparar na época ou não. Não sei era muito óbvio, sinceramente. Mas eu era completamente apaixonado por você naquele tempo. Eu passava a semana inteira pensando no dia em que a gente ia se encontrar, trocar uma ideia no curso, caminhar junto até a sua casa. E eu tinha uma vergonha absurda disso. Eu tinha namorada, você tinha namorado e estava para se casar. Então eu achava errado expor aquilo, ser claro. E eu achava que você não gostava de mim. Eu tinha auto-estima muito baixa e esse relacionamento com essa ex-namorada abusiva só piorou as coisas. Eu me sentia um lixo, então achava que você não ia ligar se eu sumisse. Que ninguém ia ligar se eu sumisse. E foi o que eu fiz. Mas, se você quer uma versão curta da resposta, é essa: eu era completamente apaixonado por você naquela época e quis sumir, sair correndo”.
Enquanto eu falava aquilo tudo, a boca dela se abriu em alguns momentos. Às vezes parecia surpresa, às vezes parecia que ela tentaria falar alguma coisa que se perdia no caminho. Eu fazia esforço para olhá-la nos olhos, mas era difícil. Mesmo depois de todos esses anos. Tentei dar a entender com o tom de cada palavra que aquilo era uma coisa do passado, que não me incomodava mais, que agora eu queria apenas revê-la e saber como andava a vida.
O desabafo foi seguido de um silêncio que tornava-se mais pesado a cada segundo. Havia alguma coisa fervendo dentro dela, dava para ver. Foi aí que os olhos dela brilharam mais do deveriam, lacrimejando. Quando vejo aquilo, sinto que o mesmo vai acontecer comigo, mas me seguro. Ela vira o rosto e olha para além da vitrine, onde um ponto de ônibus está lotado com os clientes do supermercado e estudantes recém-saídos de suas escolas, o trânsito lento e infernal. A acústica é tão boa no bar que o caos de fim de tarde do outro lado do vidro parece uma televisão ligada no mudo. Quando ela me olha de volta, vejo que ela não faz qualquer esforço para esconder os olhos marejados.
“E você nunca me contou nada? Nem pensou em me contar?”.
Eu não sei quantos de vocês já ficaram sem notícias de um parente ou de alguém que você ama por muitos anos. Aconteceu comigo uma vez, com uma tia que desapareceu por quase 10 anos no exterior e reapareceu após ser mantida em cárcere privado por um namorado obsessivo. A sensação é estranha. É como descobrir que um livro que você tinha dado como encerrado tinha uma continuação secreta. As memórias de hoje se misturavam com as de 12 anos atrás, da última vez que li esse livro. Ela começou a contar tudo.
Ela, como eu já disse antes, era o meu ideal de felicidade. Casara cedo, tivera filho cedo, empregara-se no serviço público cedo. Era tudo com o que eu sonhava. Eu sempre quis constituir uma família, ter uma vida simples, ter um filho cedo para poder aproveitá-lo ao máximo. Mas a falta de dinheiro e a busca por uma parceira ideal sempre ficaram no caminho, assim como a carreira. O problema é que ela tinha uma vida muito diferente do que eu imaginava, muito mais parecida com a minha à época.
Acho que já deixei claro o quanto eu era apaixonado por ela no passado. Ela não era bonita nem feia, tinha o tipo de rosto que se perde na multidão sem ser notado. Filha de pai negro e mãe branca, era morena e tinha o cabelo liso levemente ondulado, quase até a cintura. Quando éramos adolescentes, ninguém a elegeria a mais bela da turma, mas dificilmente negariam que tinha seu charme. Eu a achava linda.
Mas ela, como eu, era o tipo de pessoa que tinha a auto-estima no fundo do poço. Como eu, também cresceu em um lar bem humilde. Também colecionou desilusões amorosas. E, como todo mundo já sabe, isso te transforma em um alvo perfeito para relacionamentos abusivos. O namorado dela, assim como a minha namorada à época, era muito bonito e manipulador. E ela achava que ele era a única pessoa que gostava dela, o único que lhe daria atenção. E isso fez com que, por anos, ela suportasse tudo que aconteceu entre eles. Traições, brigas, mentiras, chantagens, ameaças de abandono, ciúmes doentios. A história deles dois era tão parecida com a minha história com minha primeira namorada que eu fiquei assustado. Só que, diferente de nós, eles casaram. Eles colocaram um filho no mundo.
Ele só piorou com o nascimento da criança. Ele não era mau com o filho, ela dizia. Era um pai carinhoso, inclusive. Mas o pouco amor e bondade que ele tinha por ela transferiu-se todo para a criança. Vivia para o trabalho, para o filho e para os amigos.
“A gente chegou a ficar sem se falar por meses”.
“Morando na mesma casa e sem se falar?”.
“Sim. Nem bom dia. Nada. Eu me sentia um fantasma”.
Na contramão dele, ela dobrava-se para dentro de si própria. Abandonou a faculdade para cuidar do filho enquanto o marido formou-se com seu apoio fiel. Vivia para o filho e tinha seus problemas conjugais menosprezados pela família. “É coisa de garoto, ele vai melhorar”. “Homem quando acaba de ter filho é sempre assim”. “Vai passar”. Mas não passou, só piorou. As traições recorrentes evoluíram para uma equação desequilibrada de álcool e uma amante fixa no trabalho que ele sequer fazia questão de esconder. Ele anunciou que ia deixá-la, convenceu-a de que era um bom negócio vender o apartamento que eles haviam comprado. Racharam o dinheiro e ele foi viver a vida. Ela voltou a morar com a mãe, agora viúva.
O filho, nitidamente a coisa mais importante daquela mulher, tornou-se a única razão para viver. A pensão que a mãe recebia era baixa, o salário dela também não era bom. A pensão que o marido dava ajudava a manter uma vida extremamente funcional e sem luxos. As roupas eram das lojas mais baratas. Viagens não existiam. O único gasto relativamente alto era com uma escola particular de qualidade para o filho. O resto era sempre no básico.
Contei para ela sobre o meu sonho de casar cedo, de ter uma vida tranquila e estável. Falei que eu admirava muito a vida que ela escolheu no começo, que era a vida que eu queria ter vivido. A grama realmente é mais verde no jardim do vizinho, ao que parece.
“Mas a sua vida parecia tão tranquila, tão perfeita”.
“A minha?”.
“A sua namorada naquela época era uma menina tão bonita, eu lembro dela. Loira, bonita de corpo. Até lembro que ela fazia medicina e ainda era dançarina. Eu achava ela linda, perfeita. E você… você era sempre tão fofinho. Carinhoso e atencioso com todo mundo. Inteligente pra caralho, nem estudava e tinha as notas mais altas em tudo. Todo mundo gostava de você, todo mundo queria ser seu amigo e você nem se esforçava para isso”.
“Eu não lembro disso…”.
“Porque você não se achava bom. Você tinha 16, 17 anos e sentava para conversar de igual para igual sobre cinema e livro com uns professores de 40 e poucos anos. Você parecia fluente conversando com os professores em inglês e espanhol enquanto a gente tentava chegar perto disso. Passou no vestibular de primeira. Você não percebia, mas você era o queridinho de todo mundo. Você não era o garoto malhado bonitão, você era o garoto charmosinho e inteligente que todo mundo gostava. Eu gostava de você também. Gostava mesmo, de verdade. Eu tinha uma paixãozinha por você. Mas eu achava que eu não tinha a menor chance. Eu achava que eu merecia o meu namorado. Que eu era feia, ruim. Que ele estava certo em me falar aquelas coisas”.
“Eu era completamente apaixonado por você”, eu respondo. “Eu pensava em você todo dia”.
Engraçado como as pessoas se veem de maneira tão diferente. Eu me definia de três formas quando a conheci: eu sou gordo, eu sou feio, eu moro num dos bairros mais pobres e violentos da cidade. No dia seguinte, de manhã, eu olharia minhas fotos de 12, 14 anos atrás e me surpreenderia com quem eu via ali. Eu era bonito, só um pouco acima do peso. Com 16 anos, eu já era o barbado da turma antes de barba ser coisa hipster. Na foto do colégio, uma das últimas do terceiro ano, eu parecia tão dono de mim, tão no controle. Eu tinha aquela cara de inteligente e rebelde. Por dentro, eu era completamente diferente. Inseguro, assustado, sem auto-estima alguma e com uma namorada abusiva.
São sete e meia e a noite já começa a cair no horário de verão. Educadamente, uma das atendentes nos indica que a galeria onde o café funciona vai ser fechada em breve. Eu pago a conta e nós ficamos meio perdidos, sem saber o que fazer. Ela ainda tem os olhos inchados, eu também. Os funcionários da loja nos olham de forma surpreendentemente carinhosa, não sei o quanto eles escutaram do desabafo.
Saímos em silêncio do café, ela atendeu a uma ligação da mãe. Minha esposa estava fora do estado e só voltaria dali a alguns dias, então eu estava bem relaxado em relação às horas.
“Não sei se você precisa voltar para a casa por causa do Hugo, mas tem um bar aqui perto que é bem vazio a essa hora. A gente pode sentar pra conversar”, eu digo.
“A gente tem mais coisa para conversar?”. Ela pergunta sorrindo, não vejo nenhum traço de mágoa no seu rosto.
“Claro que tem. Doze anos não se resolvem em duas horas”.
Fomos para um bar pequeno ali perto, um que eu costumava frequentar nos tempos de faculdade. Nos tempos em que eu pensava nela e não me achava capaz de tê-la. Ele pouco havia mudado de 12 anos para cá: a mesma atmosfera que fazia dele aconchegante e levemente depressivo ao mesmo tempo. Era um bar das antigas, com azulejos portugueses azuis e poucos frequentadores. O atendimento era excelente e o preço razoável para a região, mas aquela estética de 40 anos atrás parecia espantar os frequentadores mais jovens. Os poucos que iam lá, no entanto, eram fiéis. Como eu fui no passado.
Nos sentamos no fundo do bar vazio em plena terça-feira e desnudamos nossas vidas um para o outro. “Eu quero saber quem você é”, eu comecei. “A gente falava sobre um monte de coisa, mas eu não sei nada sobre você. Sobre sua família. Sobre sua infância, quem você é. E você não sabe nada sobre mim”. Ela riu. “Você é maluco”. “Não, só quero te conhecer melhor. Compensar por ter sido um babaca há doze anos”.
A conversa foi agridoce. O que mais me assustava era como tínhamos origens semelhantes, desde a família até a criação. Os dois criados no subúrbio do Rio de Janeiro, os dois de famílias humildes que, por conta da pobreza e da necessidade de contar uns com os outros, permaneciam unidas. Primos de terceiro ou quarto grau criados próximos, filhos que casavam e formavam suas famílias nas casas dos pais. Assim como a minha família, a dela investiu tudo que tinha para que ela estudasse em um colégio particular até que eventualmente ela passou para uma escola pública de elite.
Nossas duas famílias tinham essa estranha tradição carioca que mistura catolicismo, umbanda e espiritismo, um sincretismo religioso que eu, como ateu, tenho dificuldade em entender - mesmo tendo crescido nesse meio. Assim como eu, achava-se feia, indesejada na adolescência. Isso fez com que rapidamente trocasse o mundo cor de rosa pelo rock e pelos livros. No meu caso, eu acrescentaria videogames e RPG, mas o resto não mudava muito.
“Na minha escola, tinha muita patricinha, muito playboy. Eu não aguentava eles. E eles sabiam que eu era pobre, então não se misturavam muito comigo”. Contei a minha versão para ela. “Eu gostava de ler, RPG e jogar videogame. Mas eu era muito pobre, fodido mesmo. E isso tudo era coisa de gente com grana na época, né? Então eu acabei ficando amigo dos nerds na época por conta dos gostos comuns. Eu tive sorte, demoraram a perceber que eu era pobre. Eu tenho toda a pinta de gente com grana, essa cara de europeu que engana. Quando perceberam que eu era duro, foi só no segundo grau. Ali eu já era um pouco mais cascudo, tinha bons amigos”. Ela não.
Era tudo tão igual que, em dado momento, eu parei de falar que havia sido igualzinho comigo. Eu esperava ela terminar a parte dela. Falava a minha. E intercalávamos nossas histórias, os dois surpresos com as semelhanças. Provavelmente a grande diferença era a vida dela após ter o filho e abandonar a faculdade. Ela trabalhava em uma repartição pública onde tinha 20 anos a menos do que a segunda funcionária mais nova, se afastou dos amigos. Era estranho conversar com ela. Não usava redes sociais praticamente, apenas para trocar mensagens com parentes distantes e mostrar fotos do filho para eles. Não via séries, não tinha Netflix - só novelas. Não conhecia bandas novas, não era muito de ir ao cinema. Era uma sensação estranha, mas parecia que boa parte da vida dela tinha parado em 2006 ou 2005. Os hábitos dela e poucos hobbies pareciam os de uma pessoa de 50 e poucos anos.
Me doeu imaginar o que poderia ter sido, o que poderíamos ter feito juntos, como poderíamos ter sido bons um para o outro. Pensei na minha esposa, que tem um perfil familiar radicalmente diferente do meu. Ela vem de uma família de classe alta, só com engenheiros e funcionários públicos de elite. O mundo dela era muito diferente do meu, tão diferente que às vezes me assustava. Famílias que não se falavam e que, mesmo endinheiradas, brigavam por herança e cortavam laços de vida por conta de bens que eles não precisavam. Todos católicos ou evangélicos, sem exceção. No máximo um ou outro ateu escondido no armário, como eu.
Essa diferença nos causava estranhezas, pontos de atrito que me surpreendiam. Quando eu elogiava a decoração de uma festa, ela falava do preço e da empresa que a produziu. Ela sentia uma obrigação social em aparecer em eventos familiares ou do círculo social deles, de ser e parecer uma boa esposa. Eu só queria estar onde eu estava afim e quando eu estivesse afim, nunca vi a família como uma obrigação social. Eles discutiam herança entre irmãos com os pais bem vivos, nós nos preocupávamos em fazer companhia à minha mãe quando meu pai morreu. Já era meio subentendido que abriríamos mão de qualquer coisa e deixaríamos tudo para minha mãe, tendo direito ou não.
Havia uma preocupação com patrimônio, normais sociais e aparências que, por muitas vezes, me assustavam. Muitas vezes ela parecia desgastada ou enojada com isso também, mas fazia porque alguém na família tinha que fazer, porque era tradição, porque sempre foi assim. Eu assistia àquilo atônito, impressionado como uma família tão numerosa quanto a minha - com literalmente dezenas de primos e tios até de terceiro grau que moravam em um mesmo bairro - era tão mais simples e unida do que uma dúzia de endinheirados que pareciam brigar por coisas fúteis.
Ela, que estava ali do meu lado, não. Tudo que ela me contava soava como uma cópia fiel da minha família, apenas em escala ligeiramente menor. Pensei em como as coisas seriam simples ao lado dela, despreocupadas, tranqulas. Que eu não passaria a vida sendo julgado pela família da minha companheira como o ex-pobre com pinta de hipster que conseguiu ganhar algum dinheiro, mas não tem muita classe nem é muito cristão, como nos últimos anos.
As palavras que saíram da boca dela depois de uns dois ou três copos de cerveja poderiam muito bem ter sido lidas do meu pensamento. “Você acha que a gente teria sido um bom casal? Que a gente ia se dar bem?”.
“Não tem como saber”, eu respondi. “Mas a gente pode imaginar”. E a gente começou a brincadeira mais dolorosa da noite, imaginando como seria se tivéssemos ficado juntos 12 anos atrás.
“Eu jogava videogame para caralho, você ia se irritar. E eu ia te pentelhar para jogar comigo”, eu comecei.
“Eu gostava de videogame, só não jogava muito. Eu ia te arrastar para show da Avril Lavigne e da Pitty, você não ia gostar”.
Eu sorri. “Eu não tenho nada contra as duas”.
“Britney e Justin Timberlake também”.
“Porra, aí você já tá forçando a barra, amor tem limite”.
Falamos sobre meus primeiros estágios, sobre como eu era maluco e fazia dois estágios e faculdade ao mesmo tempo. Saía de casa às cinco da manhã e voltava às onze da noite. Tudo para conseguir ter uma grana legal, já que na minha área os estágios eram ridiculamente baixos. Ela falava sobre a rotina de estudos para concurso, sobre como foi difícil conciliar a faculdade - que ela eventualmente abandonou por causa do filho - com o recém-conquistado emprego público. Eu falava do meu início de carreira, que foi bem melhor do que eu jamais imaginara, como subi rapidamente. Como eu achava estranho ganhar a grana que eu ganhava - que não era nada extravagante, garanto - mas meus hábitos simples faziam com que eu mal gastasse metade do salário. Ela falava da depressão que tomou conta dela ao perceber que estava num emprego extremamente burocrático e ineficaz, deixando-a incapaz de buscar outras alternativas. Falamos sobre a morte dos nossos pais, que parecem ter conspirado para falecer no mesmo ano.
Em algum momento, a cabeça dela repousou no meu ombro. Eu não soube o que fazer. Pensava apenas na minha esposa, em jamais ter traído ela nem nenhuma outra mulher. Foi aí que eu percebi que ela chorava e, novamente, eu chorei também.
“É engraçado a gente ter saudade de algo que a gente não teve”, eu disse, lembrando de um livro que eu li há muito tempo.
“Acho que a gente seria um casal do caralho”, ela disse, com um inesperado sorriso entre as lágrimas.
“Ou talvez a gente se detestasse e desse tudo errado, a gente nunca vai saber”.
“A gente nunca vai saber”, eu repeti, mentalmente. Como um vírus, a ideia se espalhou dentro de mim rapidamente. “Eu posso fazer uma diferença na vida dessa mulher, na vida do filho dela, na própria família dela. Eu posso ter uma vida mais tranquila ao lado dela, sem essas picuinhas de família rica. Minha esposa pode encontrar um homem muito melhor para ela. Um cara rico, cristão e que tenha a classe e pose que a família dela tanto quer. Isso pode acabar bem para todo mundo”.
Mas não podia. Lá no fundo, eu sabia que não podia. Eu tinha quase uma década de história com minha esposa. Eu tinha um casamento plenamente feliz atrapalhado por alguns poucos problemas familiares e inseguranças minhas. Tínhamos uma química ótima, gostos parecidos para livros e filmes, nos dávamos bem na cama. Valia a pena jogar aquele relacionamento tão bom e funcional - algo que me parece cada vez mais raro hoje em dia - por uma aventura fugaz? Um remorso do passado? Em um relacionamento com uma estranha que eu estava voltando a conhecer havia algumas horas?
“Você nem a conhece”, dizia a cabeça. “Ela é igual a você”, dizia o coração.
No fim das contas, eu segui a cabeça. Conversamos até quase dez da noite. Pegamos um Uber e fiz questão de deixá-la em casa, um prédio pequeno em um bairro abandonado do subúrbio. Quando o carro parou, ela se demorou um pouco do meu lado e, por impulso, eu segurei a mão dela. Ela me encarou assustada e ansiosa. Eu pensei em beijá-la, em ligar o foda-se e jogar tudo para o alto ali mesmo. Mas eu só desci do carro com ela na rua deserta e caminhamos juntos para dentro do prédio, sem saber exatamente o que a gente estava fazendo. Pedi para o motorista me esperar e disse que depois acertava uma compensação com ele.
“Eu vi o seu Facebook. Você é casado com uma mulher linda. E inteligente. Você não vai me trocar por ela. Nem eu quero acabar com o seu casamento”.
“Você acha ela linda e inteligente?”.
“Você sabe que ela é”.
E então eu desabafei. Falei que passei as últimas semanas reavaliando meu casamento e meu futuro, encarando a foto dela no Facebook de tempos em tempos. Que meu coração quase parou quando encontrei-a pela primeira vez. Que eu gostava de tudo nela. Da dedicação como mãe, da simplicidade, dessa aura de pessoa correta que ela exalava sem fazer esforço, desse espírito suburbano e familiar que ela tinha. Dos olhos dela, tão animados no passado e tão tristes agora. De como eu estava me segurando para não beijá-la naquele dia todo.
“Você é linda. Eu sei que você se acha feia, eu sei que você acha que ninguém vai se interessar por você. Mas você é uma mulher foda, e nem preciso subir para saber que você é uma mãe foda, uma filha foda. Não deixa a vida passar. Eu tenho certeza que tem mais gente que, igual a mim, já percebeu isso em você e não sabe como falar. Não faz de novo a mesma coisa que a gente fez lá atrás. Eu só queria que você soubesse disso porque eu acho que você merece ser muito mais feliz do que você é agora. E você não tem ideia de como você me deixou maluco esses dias todos. Eu sou bem casado com uma mulher linda sim, mas só de encontrar você eu tive vontade de jogar tudo para o alto”.
Foi um monólogo mais longo do que eu esperava. De novo, ela chorou. Dessa vez, eu contive as lágrimas. O abraço que partiu dela foi um dos melhores e mais tristes que já ganhei na minha vida. Havia ali uma história de amor não vivida, saudades de uma história que jamais colocamos no papel, de um mundo que nunca existiu. Ela me apertou forte e eu sentia minhas mãos tremerem.
Encostamos as laterais do rosto um do outro, aquele prenúncio de um beijo adiado. E que tive que usar todo auto-controle do mundo para manter adiado. Me afastei, olhei nos olhos dela, sorri e fui embora. Quando o Uber saiu, ela ainda estava parada na portaria e minhas mãos ainda tremiam.
Eu não sei se essa história acaba aqui ou não. Mas eu tenho quase certeza que sim. Algum dia eu vou contar tudo isso para a minha esposa, mas vou esperar esse sentimento morrer primeiro. Eu conheço ela o suficiente para saber que, em um bom momento, ela não ficaria triste com essa história. Eu até consigo imaginar a reação dela, repetindo a frase que ela me diz desde que a gente casou. “Eu te conheço. Você não vai me trair com alguma gostosona oferecida por aí. Se alguma coisa acontecer, você vai se apaixonar por alguém. Eu te conheço, você é romântico. Mas a gente se resolve”.
Quando cheguei na minha casa vazia, sentei e escrevi quase tudo isso de uma tacada só. Sem revisão, sem pensar muito. Eu acho que eu poderia escrever dezenas de páginas sobre os detalhes da conversa, mas isso aqui já está longo demais. Antes de dormir, eu vejo que tenho uma mensagem no Whatsapp.
“Foi muito bom encontrar você”.
Toda aquela tentação de falar algo mais grita dentro de mim, se debate.
“Foi bom te ver também :) “.
Por via das dúvidas, coloquei o celular em modo avião e suspirei. “Eu tô feliz ou triste?”, me perguntei. Parece uma pergunta simples e relativamente objetiva, mas eu não soube responder. Eu custei a dormir, com medo de sonhar com ela. Quando eu acordo no dia seguinte e me preparo para ir ao trabalho, a impressão que eu tenho é de que tudo foi um sonho. Vê-la, reencontrá-la, chorar, abraçá-la.
E, como quando a gente acorda de um sonho triste, eu volto a viver minha vida normal para esquecer. Hoje tem reunião com cliente. À noite, preciso pegar minha esposa no aeroporto.
submitted by tombombadil_uk to brasil [link] [comments]


2017.07.04 20:21 feedreddit Cibersegurança para todos: como proteger a privacidade de suas conversas com o Signal

Cibersegurança para todos: como proteger a privacidade de suas conversas com o Signal
by Micah Lee via The Intercept
URL: http://ift.tt/2tNJqLd
Video de Lauren Feeney
O conteúdo das suas conversas – sejam elas pessoais, profissionais ou políticas – pode ser alvo da espionagem de um governo local ou estrangeiro. Além disso, o envio de uma senha ou número de cartão de crédito pelo celular também pode ser interceptado por um criminoso. Ou então você pode querer se candidatar a um emprego sem o conhecimento do seu chefe atual; discutir um assunto delicado com um advogado; conversar com amigos sobre a ida a uma manifestação, um aborto ou a compra de uma arma; enviar fotos íntimas ao seu parceiro(a) sem que ninguém as veja; ou querer manter segredo sobre um novo relacionamento no trabalho. Esses são apenas alguns exemplos de como a privacidade pode ser importante.
Felizmente, a privacidade é um direito fundamental do ser humano.
Infelizmente, a maioria das ferramentas utilizadas para se comunicar via celular – ligações, mensagens de texto, e-mails, Facebook, Skype, Hangouts etc. – não são tão privadas como poderíamos pensar. Sua operadora de telefonia, seu provedor de internet e as empresas que criam os aplicativos que você usa para se comunicar podem interceptar o que você diz ou escreve. Seus bate-papos podem ser acessados pela polícia e por agências de espionagem como a NSA. Eles também podem ser vistos por _qualquer um_que pegar e vasculhar o seu telefone. Algumas mensagens podem ser lidas mesmo com o celular bloqueado, na tela de notificações.
Mas é possível garantir a privacidade das suas conversas. O primeiro passo é instalar um aplicativo chamado Signal – e seus contatos devem fazer o mesmo. Então é só configurar o programa para bloquear as ameaças.
O Signal é fácil de usar, funciona tanto no iOS – o sistema operacional dos celulares da Apple – quanto no Android – do Google – e criptografa suas mensagens de forma que apenas você e seu interlocutor possam decifrá-las. Além disso, ele é um software de código aberto, então qualquer especialista pode verificar se o programa é realmente seguro. O Signal pode ser baixado na Play Store do Android e App Store do iPhone.
Embora o Signal seja um software muito bem feito, você precisa fazer alguns ajustes para maximizar a segurança de suas conversas. Já escrevi sobre algumas dessas configurações no ano passado, mas o programa mudou muito desde então, e talvez você não conheça algumas de suas funcionalidades mais úteis.
Vou falar sobre elas em detalhes mais abaixo – e no vídeo acima, criado por Lauren Feeney.
Para ir diretamente a um item específico, clique no link correspondente abaixo:

Recomende o Signal a seus amigos

Você só pode enviar mensagens criptografadas e fazer ligações protegidas para outros usuários do Signal. Não adianta instalar o programa e continuar usando torpedos não criptografados para se comunicar. Faça com que seus amigos também instalem o aplicativo.
Se você é um ativista, recomende o Signal aos participantes da próxima reunião ou manifestação; se é jornalista, fale com suas fontes e editores; se está se candidatando a algum cargo político, use o Signal para se comunicar com sua equipe de campanha.

Bloqueie seu telefone

O Signal usa uma rigorosa criptografia de ponta-a-ponta, que, quando verificada, impede que o conteúdo das mensagens seja decifrado por um intermediário, como os criadores do Signal, operadoras de telefonia, provedores de internet – ou pela NSA e outras agências de espionagem que coletam dados em massa na internet.
Mas a criptografia do Signal não pode impedir que alguém pegue o seu telefone e abra o aplicativo para ler suas mensagens. Para isso, é preciso bloquear o acesso ao telefone com uma senha ou outra forma de autenticação. Você também deve habilitar a criptografia de dados do aparelho e atualizar o sistema operacional e aplicativos com frequência, pois isso dificulta consideravelmente a ação dos hackers.
No Android:
No iPhone:

Oculte as mensagens do Signal na tela de bloqueio

A criptografia do Signal será de pouca serventia se outras pessoas puderem ver as mensagens que você recebe na tela bloqueada do seu celular. Se o seu telefone costuma estar ao alcance de pessoas que não deveriam ler suas mensagens – colegas de quarto, colegas de trabalho e seguranças de aeroporto, por exemplo – desative a pré-visualização de mensagens do Signal na tela de bloqueio do telefone.
À esquerda, notificação do Signal em um iPhone bloqueado. À direita, notificação do Signal em um Android bloqueado.
Siga estes passos para desativar as notificações do Signal:
No Android:
No iPhone:
À esquerda: notificações do Signal oculta em um iPhone bloqueado. À direita: notificação do Signal oculta em um Android bloqueado.

Não guarde suas mensagens para sempre

Quando uma mensagem criptografada é enviada pelo Signal, apenas dois dispositivos guardam cópias do texto trocado: o seu celular e o do destinatário. Diferentemente de outros aplicativos de troca de mensagens, o servidor do Signal nunca tem acesso às mensagens, e os conteúdos criptografados permanecem online por muito pouco tempo. Isso significa que, quando você apaga uma mensagem do seu telefone – e o destinatário faz o mesmo – esse conteúdo deixa de existir. É uma boa ideia apagar seu histórico de mensagens frequentemente, principalmente quando se trata de conversas confidenciais. Dessa forma, se o seu telefone for vasculhado, as conversas de um ano atrás de que você nem se lembrava – e aquela conversa confidencial da semana passada – não serão encontradas.
O Signal permite programar a exclusão de mensagens depois de um certo tempo (entre cinco segundos e uma semana), tanto do telefone do remetente quanto do destinatário. Essa função se chama “Mensagens efêmeras”. Porém, nada impede que o seu interlocutor grave as mensagens antes que elas sejam excluídas – por meio de captura de tela, por exemplo.
Se você costuma mandar mensagens confidenciais para amigos ou grupos do Signal (vou falar sobre grupos mais adiante), recomendo ajustar a exclusão programada das mensagens para uma semana depois de lidas. Você também pode ativar as “mensagens efêmeras” para um contato e logo depois desativá-las, o que pode ser útil para o envio de uma senha, por exemplo.
No Android:
No iPhone:
Neste exemplo, as mensagens desaparecerão depois de cinco minutos.
Você também pode apagar manualmente mensagens individuais – ou mesmo conversas inteiras – do seu telefone. Mas você não pode, é claro, apagá-las do telefone do destinatário; isso só é possível com a opção “Mensagens efêmeras”.
No Android:
No iPhone:

Como enviar e receber fotos e vídeos privados

O Signal facilita o envio de fotos e vídeos criptografados – inclusive _gifs_animados. Quando estiver conversando com alguém, basta dar um toque no clipe de papel para abrir sua coleção de fotos ou acessar diretamente a câmera do celular.
O Signal também tem outro dispositivo de segurança: as fotos e vídeos gravados a partir do próprio aplicativo não são salvos automaticamente na memória do telefone. Da mesma forma, as fotos e vídeos que você receber também não serão gravados automaticamente. Se você quiser adicionar uma foto à coleção do celular, basta dar um toque longo na foto e salvá-la.
Por que isso é importante? Muitas pessoas sincronizam automaticamente fotos e vídeos com serviços de armazenamento em nuvem como iCloud, Google e outros. Elas também costumam permitir que aplicativos como Facebook e Instagram tenham acesso à galeria de imagens do telefone. Por mais cômodo que seja, isso significa que o provedor do serviço de armazenamento em nuvem também terá acesso às suas imagens, podendo entregar os dados a terceiros, como uma agência governamental. Da mesma forma, suas imagens podem ser acessadas por hackers, como em 2014, quando fotos de celebridades nuas foram publicadas na internet depois de um ataque a suas contas no iCloud.
Portanto, se você fotografar um documento confidencial para um jornalista – ou tirar uma _selfie_sensual para o(a) namorado(a) –, envie as fotos diretamente pelo Signal, que é capaz de criptografar uma imagem da mesma forma que uma mensagem de texto.

Como criar grupos de discussão seguros

Para mim, uma das funcionalidades mais úteis do Signal é a possibilidade de criptografar uma conversa em grupo. Qualquer pessoa pode criar um grupo no Signal e adicionar quantas pessoas quiser; as mensagens de todos os membros serão criptografadas. Assim como nas conversas individuais, você pode habilitar a exclusão programada de mensagens, fotos e vídeos. Veja alguns exemplos de situações em que os grupos do Signal podem ser úteis:
Veja como usar os grupos do Signal:
No Android:
No iPhone:
Os grupos do Signal são úteis, mas não são perfeitos. Os problemas podem ser resolvidos em versões futuras, mas, por enquanto, são os seguintes:

Como fazer chamadas de voz e vídeo seguras

Além de permitir o envio de mensagens de forma segura, o Signal também pode ser usado para fazer ligações criptografadas de voz e vídeo. Basta selecionar o ícone de telefone para ligar para um contato. Trata-se de uma ligação telefônica normal, mas com a segurança da criptografia de ponta-a-ponta. Para iniciar uma chamada de vídeo, toque no ícone de câmera durante a ligação para ativar a câmera – simples assim.
Durante uma chamada de voz ou vídeo, seu interlocutor pode ver o seu endereço IP, o que pode ser utilizado para determinar a sua localização. Na maioria das vezes isso não importa, mas às vezes pode ser um problema – se você não quiser revelar de que país está ligando, por exemplo. Nesses casos, é possível redirecionar a ligação através dos servidores do Signal, fazendo com que o único IP visível no outro lado da linha seja o do próprio Signal. Essa função diminui ligeiramente a velocidade da conexão, o que pode reduzir a qualidade da ligação. Veja como habilitá-la:
No Android:
No iPhone:

Como enviar mensagens sem adicionar o destinatário aos contatos

A maioria das pessoas sincroniza seus contatos com o iCloud, Google, a empresa em que trabalham ou outros serviços de nuvem. Isso é muito conveniente; se você perder o telefone e comprar um novo, poderá recuperar seus contatos. Porém, isso quer dizer que sua lista de contatos pode ser acessada pelos provedores do serviço de sincronização, que, por sua vez, podem fornecer os dados para a polícia ou agências governamentais.
Você pode querer conversar com certos contatos de maneira segura, mas sem adicioná-los à sua lista de contatos. Por exemplo, se você quiser vazar uma informação para um jornalista sem ser investigado por isso, é melhor não salvar o número do repórter na nuvem.
O Signal permite que você converse com pessoas que não estão na sua lista de contatos. Para fazer isso, abra o aplicativo, selecione o ícone de caneta para iniciar a conversa e digite o número de telefone no campo de busca. Se a pessoa em questão for usuária do Signal, você poderá trocar mensagens criptografadas com ela sem ter que adicioná-la aos seus contatos.

Use números de segurança para se proteger de ataques

Esta seção pode parecer um pouco confusa – o funcionamento da criptografia é uma coisa meio complicada mesmo. Mas o mais importante aqui é aprender como verificar os números de segurança.
Mais acima, eu disse que o Signal garante a privacidade das suas conversas quando devidamente verificado. Para usar o Signal corretamente, é preciso verificar se suas comunicações não estão sendo interceptadas em um ataque man-in-the-middle.
Um ataque man-in-the-middle(“homem no meio”, em tradução literal) acontece quando duas pessoas – Alice e Bob, por exemplo – pensam que estão conversando diretamente uma com a outra, mas, em vez disso, tanto Alice quanto Bob estão conversando com um intermediário, que intercepta tudo o que está sendo dito. Para proteger totalmente as suas conversas, é preciso verificar se a troca de informação criptografada está sendo feita diretamente com seus contatos, e não com algum impostor.
Você tem um “número de segurança” em comum com cada contato do Signal. Por exemplo, Alice tem um número de segurança em comum com Bob e outro com Charlie. Quando Alice liga para Bob, se o número de segurança que aparecer no celular de ambos for igual, isso significa que a conexão é segura. Porém, se os números forem diferentes, tem alguma coisa errada; talvez Alice ou Bob estejam vendo o número de segurança que têm em comum com o interceptador, o que explicaria a discrepância.
É improvável que alguém tente atacar a sua conexão _na primeira vez_que você entrar em contato com um amigo. Por isso, o Signal considera como seguro o primeiro número de segurança atribuído para cada contato. Mas, se o conteúdo da conversa for confidencial, é melhor confirmar assim mesmo.
Para verificar a integridade da criptografia, acesse a tela de verificação da seguinte forma:
À esquerda: tela de verificação do número de segurança no iPhone. À direita: tela de verificação do número de segurança no Android.
Existem algumas maneiras de verificar com um amigo se seus números de segurança são iguais. A mais fácil é presencialmente, juntos no mesmo lugar, mas também é possível fazê-lo à distância.
Como verificar um contato presencialmente
Se você puder se encontrar com seu contato, basta escanear o código QR (um código de barras quadrado) dele. No Android, toque no círculo com o código para escanear; no iPhone, selecione o ícone “Escanear código”. Aponte a câmera para o código QR de seu amigo: se o processo for completado normalmente, isso significa que a criptografia é segura.
Como verificar um contato à distância
Se vocês não puderem se encontrar pessoalmente, é possível verificar os números de segurança à distância, embora o processo seja um pouco trabalhoso.
Você e seu contato devem enviar o número de segurança por meio de um canal externo – ou seja, por fora do Signal. Envie uma mensagem no Facebook, Twitter, um e-mail ou faça uma ligação telefônica – ou então use outro aplicativo de mensagens criptografadas, como WhatsApp ou iMessage. Se estiver realmente preocupado com uma possível interceptação, recomendo fazer uma ligação; se você conhece a voz do seu contato, é muito difícil alguém se fazer passar por ele.
Quando seu contato receber seu número de segurança, ele deverá acessar a tela de verificação e comparar – algarismo por algarismo – o que você enviou com o que ele está vendo. Se os números forem idênticos, a conexão é segura.
Tanto no Android quanto no iPhone, você pode tocar no botão de compartilhamento na tela de verificação para enviar o número de segurança via outros aplicativos ou copiá-lo para a área de transferência do telefone.
Verifique novamente contatos que trocarem de telefone
De vez em quando, você pode ver a seguinte mensagem no Signal: “Número de segurança modificado. Toque para verificar.” Isso pode signifcar uma das duas seguintes possibilidades:
  1. Seu contato instalou novamente o Signal, provavelmente por ter comprado um novo telefone.
  2. Alguém está tentando interceptar suas conversas.
A segunda alternativa é menos provável, mas a única maneira de ter certeza é verificar novamente o número de segurança com o seu contato.

Como usar o Signal no seu computador

Embora seja necessário instalar o Signal no celular para começar, também é possível instalar o aplicativo no seu computador. O programa não tem todas as funcionalidades da versão para celular – ainda não é possível fazer chamadas ou modificar grupos –, mas pode facilitar muito a vida de quem usa o Signal. Principalmente se, assim como eu, você passa o dia inteiro na frente do computador e precisa do Signal para trabalhar.
Trata-se de uma extensão para o navegador Chrome. Ou seja, primeiro é preciso instalar o Chrome no seu computador. Só então você pode baixar o Signal na Chrome Web Store. Ao executar o programa pela primeira vez, siga as instruções na tela para conectá-lo ao Signal do seu smartphone.
No entanto, instalar o Signal no seu computador proporciona mais uma possibilidade de ataque e interceptação de dados. Quando você usa o Signal apenas no telefone, se alguém quiser ler suas conversas, ele terá que hackear o seu celular. Mas se você também usa o aplicativo no computador, um hacker pode atacar _tanto o seu telefone quanto o seu computador_– o que for mais fácil. Por causa das diferenças na arquitetura dos sistemas operacionais de celulares e computadores, o mais provável é que o seu computador seja o alvo mais fácil.
Além disso, seus dados do Signal são armazenados de forma mais segura no telefone. No Android e no iOS, suas mensagens – e chave criptográfica – são armazenadas pelo próprio Signal, e outros aplicativos não têm acesso a elas. Já no Windows, MacOS e Linux, esses dados são guardados em uma pasta do seu disco rígido, e praticamente _todos_os seus aplicativos têm acesso a ela. Portanto, em certas situações, talvez o mais prudente seja não instalar o Signal no computador.
Tradução: Bernardo Tonasse
The post Cibersegurança para todos: como proteger a privacidade de suas conversas com o Signal appeared first on The Intercept.
submitted by feedreddit to arableaks [link] [comments]


2017.05.19 18:22 batataway Um dia no Porto.

Em resposta a este post, e para quem interessar - https://www.reddit.com/portugal/comments/6c1y19/s%C3%A9rio_um_dia_na_vossa_cidade_vila_aldeia/
Em modo percurso, e pegando em algumas nas sugestões do ForeverJamon sugiro um passeio como um autóctone o faria (não vamos subir a torre nenhuma que isso é pago. ), sendo que dá para inúmeras variações.
Começas no topo do Hotel Dom. Henrique onde tomas o pequeno almoço (caro!) e em seguida desces a rua Sá da Bandeira. Ao chegares ao cruzamento com a Rua Fernandes Tomás, visita o Mercado do Bolhão. Aproveita para comprar fruta pois vamos almoçar na rua com vista para o Rio, não compres vinho! Disso vamos tratar mais tarde.
Quando acabares a tua visita ao mercado, desce até à Rua Formosa, tens ai uma confeitaria de nome "confeitaria do bolhão". Compra bola de carne e pede para embrulhar. Não sabes para que lado é, certo? É em frente ao Bolhão mas na porta da Rua Formosa, logo esquerda para quem desce Sá da Bandeira. Se gostares de plantas e não tiveres ficado farto dentro do mercado aproveita para entrar na casa hortícola, a mesma família vende bolbos e sementes desde 1921! Quando saíres da pérola do bolhão olha para o topo da porta do mercado. Estás a ver aquelas duas personagens? Personificam o comércio e a agricultura. Volta ao Porto daqui a 5 anos quando o Mercado estiver todo arranjado para uma experiência diferente.
Já que estamos na Rua formosa, se fores uma pessoa que gosta de doces, tens ai uma Arcádia. Compra uma caixa de línguas de gato, é caro mas compensa imenso. Quando parares para tomar café podes mexer o mesmo com uma língua de gato (e depois comer a mesma, claro), é incrível!
Protip: Se desceres a Rua Formosa em direcção aos Aliados vais passar pelo Conga (fica na rua do Bonjardim que cruza com a rua formosa) mítica casa de bifanas. Eu no entanto, sugiro a codorniz.
Vamos subir a Rua Formosa pq precisamos de vinho para o nosso almoço, nessa rua, quase frente a frente vais encontrar duas mercearias tradicionais. A "Comer e chorar por mais" e a "Pérola do Bolhão". Entra numa delas e pede a quem te atender uma garrafa de vinho do Douro, até X euros. Tinto ou branco, é contigo.
Continua a subir e vira para a Rua de Santa Catarina. Vamos fazer esta rua até ao fim mas não penses que vamos tomar café no Majestic, nada disso, é bonito mas é um roubo. Vamos entrar no Majestic e vamos mandar os empregados foder fingindo falar uma língua desconhecida para eles, sempre com um sorriso, claro.
Se conseguires, tenta estar no cruzamento da Rua de Santa Catarina com a Rua de Passos Manuel às 11h00 ou 14h00 a olhar para o relógio que fica por cima da fnac. É um relógio verde.
De 3 em 3 horas saem do relógio pequenas estátuas do S. João, do Infante D. Henrique, do Almeida Garrett e do Camilo Castelo Branco, tudo personagens importantes da história da cidade, são acompanhadas de música. O espectáculo dura apenas um ou dois minutos. Deixo-te um vídeo que hoje estou simpático: https://youtu.be/ddWiHbkjI6U?t=1m15s
Já está? Boa, agora avança por Santa Catarina e desce a Rua 31 de Janeiro. Quando chegares ao fundo da 31 de Janeiro do teu lado esquerdo encontras a estação de S. Bento podes ver os azulejos se quiseres ser mais turista. Daqui já deves conseguir ver a torre dos Clérigos por isso avança por ai a fora em direcção a esta.
Chegaste aos Aliados certo? Finalmente! Estás a ver a estátua do gajo que está em cima de um cavalo? Esse man é D.Pedro IV, gostou tanto da cidade do Porto e das suas gentes que disse "Eu vou, mas o meu coração estará sempre no Porto", por isso depois do gajo quinar, abrimos o corpo do homem e tirámos o coração ao gajo que ficou guardado num frasco até aos dias de hoje. Está fechado não a sete mas a cinco chaves na Igreja da Lapa no Porto. Uma das placas que ladeia a estátua mostra esse momento. Pega uma imagem do coração para não achares que estou na tanga: http://images-cdn.impresa.pt/expresso/imv-2-232-966-coracao-a584.jpg/original/mw-860
De X em X anos abrem o mausoléu e retiram o coração numa cerimónia. A última vez penso foi em 2009, logo por muito que gostes de merdas gore não o podes ver.
Protip: Se queres mesmo ver cenas gore , manda um email para aqui [email protected], (ou na falta de resposta, para [email protected]) e pede para visitar o (o TheBushMonster diz que não é nececssário marcar) visita o Museu de Anatomia Nuno Grande (Fica a 15 minutos a pé de onde estás) As visitas são grátis mas obrigam a marcação prévia - Sneak Peak: http://roof-magazine.com/GestorSistema/2016/09/anatomia_4.jpg
Vamos subir a rua dos clérigos, aviso que se não tens pernas de pessoa que mora no Porto não tentes acompanhar a malta, vai ao teu ritmo. Eventualmente vais passar pela Livraria Lello, não vale a pena entrar, espeta a cara nos vidros e espreita, caso queiras mesmo entrar, são 3 euros que depois podes trocar ou abater num livro. Eu não perdia tempo na fila que é enorme, mas tu é que sabes....
Sobe tudo até chegares ao edifício da reitoria da Universidade do Porto, saberás qual é pois em frente tem uma praça com uma fonte com leões. O Porto, e suponho que outras cidades tb, tem nomes não oficiais para locais, o nome deste é os Leões, apesar que no teu google maps vai aparecer Praça Gomes Teixeira. O Chico Gomes Teixeira foi o primeiro reitor da Universidade do Porto e tens um busto do homem dentro da reitoria se quiseres ver o swag dele.
Se estiveres de costas para a reitoria, do lado direito vais ter uma pequena rua que na verdade é uma praça cujo nome é Praça Guilherme Gomes Fernandes (o maior Bombeiro que alguma vez existiu no mundo em e Portugal, tens o busto do gajo num canto do jardim), segue essa rua e entra na Padaria Ribeiro. Sabes onde estás? Na melhor padaria e pastelaria do universo. Vamos comprar (assumindo que não estás sozinho): 2 empada de vitela, 2 empada de frango em massa tenra, um lanche misto. Compra pão, caso tenhas tido a boa ideia e comprar queijo e presunto nas mercearias. Pede para embrulhar tudo e cortar o lanche a meio. E agora vamos almoçar que já está na hora e eu estou cheio de fome. É sair da padaria e virar à direita. Avança novamente para edifício da reitoria, e contorna-o. Estás a ver aquelas esplanadas todas. A segunda é o piolho, é um café mítico entre os estudantes. Entra e pede um copo de plástico, sorri e inventa uma desculpa. É que temos uma garrafa de vinho e não temos copos. Só pediste um? Entra no café a seguir e repete a dose. Caso eles digam que não dão, pede um fino em copo de plástico, bebe de pênalti e fica com o copo. "E se o OP quer ser cá da malta, tem de beber este copo até ao fim, até ao fim até ao fim........" Enquanto estás no piolho podes ler as placas que o pessoal vai deixando quando termina o curso.
Da esplanada do Piolho deves conseguir ver o jardim da cordoaria, segue até ao fim do jardim e vais reparar que do teu lado esquerdo tens uma estátua grande de uma senhora com uma espada e ao lado deste edifício (que é o tribunal da relação) tens uma pequena rua que desce imenso. Desce a rua, vira para a tua esquerda e TCHARAM, estás no passeio das virtudes (http://www.porto24.pt/wp-content/uploads/2015/09/Virtudes_Viver-o-Porto.jpg). Agora senta-te e come, tens ai umas mesas de pedra. Se tiveres sido esperto ao longo deste percurso compraste fruta no mercado, presunto, queijo, salgados e vinho (e uma garrafa de água tb era fixe). Descalça-te e abre a garrafa de vinho com um sapato, no caso de não saberes como é que isso se faz, usa a internet ou...no fim do passeio tens um café, pede para abrirem.
Protip: Caso tenhas sido burro e não tenhas seguido a minha sugestão para comprares comida pelo caminho, entras no edifício amarelo com o brasão de pedra que fica em frente da rua que acabaste de descer, viras para a tua esquerda e desces as escadas até ao último piso, tens ai um restaurante porreiro mas não barato (+-15 a 20€) - http://1.bp.blogspot.com/-zFvA-G96m3g/VgLOWh-GEEI/AAAAAAABoHY/hkkB05FL2s0/s1600/IMG_6052%2BAcopy.jpg - Tu tb não mereces barato, não compraste nada nas mercearias e no mercado.
Agora que estás cheio como uma prostituta holandesa no fim de uma noite de sábado do red light district de Amsterdão, das duas uma ou bates uma soneca ou vamos avançar.
Protip: O melhor local para bater uma soneca ao ar livre é na Praça de Lisboa que fica ao lado da Reitoria. A relva é fofa, não tem merda de cão e tem espaços com sombra. Podes é ter os betos do bar que acham que estamos em Ibiza e como tal por vezes começam a bombar música azeiteira bastante alto.
É para avançar? Segue o passeio das virtudes e começa a descer a rua Francisco Rocha Soares, a partir deste ponto escolhe tu as ruas, não tenhas medo de te perderes, se continuares sempre a descer vais dar ao rio. Tb não tenhas medo de ser roubado, o Porto é uma cidade segura. E tu dizes: "caralho batataway, diz lá por onde é que vou". Se fores preguiçoso podes descer pelas escadas que ficam no fim dessa rua, eu sugiro no entanto desceres sempre até Miragaia. Sabes de onde vem o nome? De Mirar Gaia. Duh! Ok, a verdade é que o nome vem de Gale, que significa em frente a Gaia.
O que não faltam no Porto são igrejas mas a igreja que fica na rua que acabaste de descer tem uma particularidade, é uma "igreja pobre" e é um contraste muito grande com outra igreja que passaremos em breve no nosso percurso (Igreja de São Francisco). Se puderes entrar para veres a diferença era fixe. É uma igreja simples pois era uma igreja de "pescadores". É a igreja de S. Pedro de Miragaia.
Protip: Se por acaso estiveres pela cidade na véspera do S.João, aqui é um boa zona para vir dançar e beber copos a partir das 2 das manhã. A animação de rua aqui só acaba por volta das 6h00 com um palco a bombar pimbalhada a noite toda.
Em frente vais ver edifício da antiga alfândega do porto, é habitual terem exposições ou feiras mas atenção que costuma ser pagas.
Se estiveres de frente para a alfândega vamos começar a andar para a esquerda em direcção à ribeira (Rua nova da Alfândega) e vais notar que mal começas a fazer a curva consegues vislumbrar do teu lado esquerdo a igreja de S.Francisco, é bem grande! É das igrejas mais "ricas" da cidade com um interior quase todo de talha dourada (https://3.bp.blogspot.com/-vJvx71CzzVY/V2HxLd6JUQI/AAAAAAAAKeU/W1bd8eujiyYKw1WZCmmxIvr1q2eGdas-ACLcB/s1600/11_igreja.jpg).
Hoje em dia tens de pagar para entrar (4.5€), eu prefiro gastar esse dinheiro num gin, mas tu fazes o que quiseres. Se fizeres um choradinho e disseres que acabaste de vir da igreja de S.Pedro e que só queres espreitar eles deixam-te. Ajuda se tiveres uma t-shirt com a cara do Papa chico.
Começa a entrar na Ribeira pela rua da Reboleira (é a rua mesmo em frente e que começa a descer). É uma rua tipicamente medieval e o nº55 (ou é o 59? Não tenho certeza) é uma construção cujo o rés-do-chão é medieval mas os andares superiores foram sendo construídos ao longo dos séculos. É a casa-torre da rua da Reboleira e é dos edifícios mais antigos da cidade.
Se virares logo na primeira rua vais dar a uma das minhas ruas favoritas da Ribeira, na verdade é um muro. O muro dos Bacalhoeiros, o nome provém dos barcos que descarregavam o bacalhau na alfândega e este era posto a secar nesse muro. O muro tem outra história, conheces o bacalhau à gomes de sá? A casa onde nasceu José Luís Gomes de Sá é aqui no Muro dos Bacalhoeiros.
Protip: Como turista que és podes ter a tentação de querer ficar um bocado sentado na Ribeira, não o faças. Não só preço da cerveja é alto como sobe quanto mais perto estivermos do Rio. Não existe nenhuma razão realmente válida para o fazer a não ser apenas perder tempo. Se quiseres mesmo beber uma cerveja compra numa mercearia e senta-te ao pé do Rio. PROFIT!
Segue o muro até ao fim, desce as escadas e aproxima-te do rio, agora segue pela margem. Vais encontrar uma praça com uma fonte e um escultura de um cubo. Esta zona é conhecida como o Cubo ou a praça do Cubo (o nome real é Largo/Praça da Ribeira). Do teu lado direito vais ver uma escada e uma arcada, passa pela arcada e segue em frente para veres o que é o barreto - é como se designa o interior da ribeira.
Quando encontrares uma praça atravessa novamente para perto do Rio. Como está a ficar na hora de nos começarmos a enfrascar é aqui que vamos descansar um pouco, no Peter’s Café Sport. Se calhar nunca ouviste falar do Peter’s café Sport, logo permite-me a introdução. É um bar conhecido mundialmente, e desde os anos 80 considerado um dos melhores bares do mundo. O famoso não é no Porto, mas sim na Horta, ilha do Faial. Ponto de paragem obrigatório para todos os velejadores que fazem a travessia do atlântico. É conhecido pelas suas tostas mistas e pelo gin. Não gin maricas com couves como se serve hoje em todo o lado.
O primeiro Peter’s (não sei se existem mais) a abrir fora do Faial foi aqui no Porto. Se vais queimar dinheiro na Ribeira, que seja aqui com um gin.
Quando estiveres pronto avançamos para a travessia do Rio pelo tabuleiro inferior da Ponte D.Luis I. Não digas aos teus amigos que esta é obra do Eiffel da torre Eiffel. Foi construida por um caramelo que trabalhou com o Eiffel na Ponte D.Maria que fica um pouco mais acima no Rio e que hoje está desactivada.
O nome do gajo que a fez é Théophile Seyrig e eu decorei o nome como “Pédophile Serynga”. Caso estejas a pensar “mas o que são estas colunas aqui ao lado? É da antiga ponte pênsil que foi desmontada quando se acabou a construção da D.Luis I.
Protip: Não pares a meio da ponte para tirar selfies sem avisar as pessoas que vão atrás, corres o risco de levar duas bojardas para aprenderes a não ser idiota. Os passeios são estreitos e os carros passam na ponte. Tb não te atires ao Rio que isso é a forma de sustento dos proto-gunas-macacos dessa zona.
Chegaste ao fim, parabéns, estás em Gaia. É outra cidade. Sabes quando é que Gaia é uma cidade bonita? Quando vista do Porto.
Agora estás em modo free tour, dá uma volta pela Ribeira de Gaia para depois subirmos para até ao tabuleiro superior da ponte D.Luis I.
Como estamos em hora de enfrascanço temos duas possibilidades, uma toda fina e outra mais normal. A normal é o ar de rio, senta-te cá fora e pede sangria, a fina é o último piso do espaço Porto Cruz. É um terraço onde podes beber cocktails feitos com vinhos do Porto da Porto Cruz. Ambos são fixes, depende do que te apetecer. Eu como não turista vou ali aos cafés do mercado municipal comprar umas cervejas frescas e fico sentado ao pé do Rio. Não sabes abrir uma super bock com um isqueiro? É a tua oportunidade para aprender algo novo (ou então pedes para te abrirem e poupas os dedos e o isqueiro).
Agora vamos subir até ao tabuleiro superior da ponte, novamente, dou-te duas sugestões:
Subir em passeio: Vais pela rua Cândido dos Reis (não confundir com a cândido dos Reis no Porto que é um local mais para copos e vida nocturna - É a rua do “Plano B”) e cortas para a travessa Cândido dos Reis, sobes as escadas, rua da Barroca, continua a subir, rua general torres, atravessa a rua e sobe pelas escadas, rua do pilar, continuas a subir, no topo encontras outras escadas, sobe essas escadas também, (não tenhas medo dos gunas que estão sempre no topo dessas escadas. A única preocupação deles é descobrir quantos canhões conseguem fumar por dia) e pronto estás no jardim do morro, achas a vista boa? Espera até estares no meio da ponte.
Subir modo preguiçoso versão batataway: Voltas ao início da Ponte D. Luís I, tens um edifício grande com um parque estacionamento, entras no parque como se fosses buscar o teu carro, avanças até ao fundo do parque e do lado esquerdo vais encontrar elevadores. Sobe até ao último piso, sobes a rampa de acesso ao carros e sais. Estás na calçada da serra. Sobes a rua até encontrares uma escada de pedra. No topo dessa escada e estarás no jardim do morro.
Atravessa a ponte D. Luís I pelo tabuleiro superior. A meio do tabuleiro vais ter das melhores vistas da cidade. Tira uma selfie e canta o “Porto Sentido” do Rui Veloso - https://www.youtube.com/watch?v=ch5DVcZqsu4 - “Quem vem e atravessa o rio, Junto à serra do Pilar, vê um velho casario, que se estende até ao mar. Quem te vê ao vir da ponte, és cascata são-joanina, erigida sobre um monte, no meio da neblina. Por ruelas e calçadas da Ribeira até à Foz por pedras sujas e gastas e lampiões tristes e sós. E esse teu ar grave e sério, num rosto de cantaria, que nos oculta o mistério, dessa luz bela e sombria, Ver-te assim abandonado, nesse timbre parnacento, nesse teu jeito fechado, de quem mói um sentimento, E é sempre a primeira vez, em cada regresso a casa rever-te nessa altivez. de milhafre ferido na asa.”
E não é que agora a letra desta música faz sentido para ti tb? Isso não invalida que o Veloso seja uma azeiteiro.
Não sei quanto a ti, mas eu estou a ficar com fome, por isso sugiro acabar de atravessar a ponte e bater umas tascas. Sim?
Acabas a ponte e continuas a subir a rua até a Sé estar do teu lado esquerdo. É fácil de identificar a Sé, é puta de grande.
Atravessa a estrada e entra pela rua Chã, segue pela Rua Cimo de Vila até encontrares a Casa Louro. O que é que achas que vamos comer? Olha para a foto do gajo que criou a tasca: https://jlmeirinhos.files.wordpress.com/2014/01/neg_casa_louro_0033.jpg - Presunto! Amigo. Presunto! Claro! Não te empanturres, temos mais tascas para bater, mas isso não quer dizer que não possas beber uma malga de tinto. Enquanto comes a tua sandes pensa no ForeverJamon e como gostavas que ele estivesse aqui contigo.
Protip: Melhor lugar para comprar misturas de caril para aquele prato com que pretendes impressionar a gaja que andas a tentar comer é na Rua Cimo de Vila.
Agora que já não estás esganado de fome, desce a rua e vira na primeira cortada à esquerda, sobe essa rua e vais encontrar a cervejaria Gazela. Eu não acho grande merda mas o pessoal garante que os cachorrinhos da Gazela é das melhores coisinhas da vida. Bebe um fino com isso que já deves estar com sede.
Terminamos o cachorro, sobe a rua e aproveita para apreciar como o Teatro S.João é bonito, isso dá-te tempo para fazer um bocadinho a digestão, podes entrar tb, é grátes.
Quem está de costas para o S. João, do lado direito aparece uma rua ao lado de um hotel todo finesse. É a rua de entreparedes e vamos seguir por essa rua e virar na primeira à direita. Aqui dou-te novamente duas opções, se fores guloso vamos mamar um gelado no La Copa (que juntamente com a Sincelo são os melhores gelados de Portugal. Que sa foda a Santini, é merda em comparação). Eu sou menos guloso e mais bêbado, por isso do outro lado da rua do La Copa vais encontrar um hotel todo moderno. Entra, apanha o elevador para o último andar. Fixe não é. Tem um problema de serviço, por vezes tens que descer um piso para avisar que queres pedir no bar do terraço. Bebe um cocktail, uma cerveja ou uma merda qualquer e aproveita o sol de fim de tarde. Diz que queres amendoins ou coisas para picar, está incluído no preço da bebida mas como o serviço é mitra e por vezes não trazem!
Descansado? Contente? Ainda bem, agora paga para ficares menos contente e apanha o elevador de volta para a rua. Segue a rua, vira à esquerda e continua até encontrares um jardim. Sobe esse troço e estás no famoso Guedes. Nada que saber, duas sandes e pernil. Uma com queijo da serra, outra sem. Para beber, se estiveres acompanhado, pede uma garrafa de vinho da casa (é verde).
Já estás a ficar com os copos? Ainda bem, ainda temos mais uma paragem já de seguida para aconchegar o estômago. Gostava mais do Buraquinho antigo, mas as papas de sarrabulho não perderam qualidade no novo. Atravessa a direito a estrada e a praça e vais encontrar, depois de subires uns 3 ou 4 degraus, uma tasca que fica num edifício cor de rosa de nome “o Buraquinho”.
Ainda não estás feliz? Ai mesmo ao lado tens o venham mais 5 para comer um prego no pão como deve ser.
Agora ou vamos para casa ou vamos para a noite.
Se vais para casa pq estás com os copos és um facadas e um conas. Eu fico sozinho, estou-me a cagar para ti! Bai lá, mariquinhas!
Se vamos para a noite, vamos começar por descer a rua Passos Manuel e ver se temos concertos ou se algo vai acontecer no Passos Manuel ou no Maus Hábitos. O Maus hábitos fica num edifício que é um parque de estacionamento e que tens que subir até ao último piso. O Passos e o Maus Hábitos ficam frente a frente. Se algo acontecer nesses lugares, porreiro é dar uma volta e esperar ou ficar a beber copos nos poveiros (é a praça que atravessaste para ir para o Buraquinho). Se não acontecer é avançar para a “baixa”. Continua a descer a rua Passos Manuel até chegares aos Aliados. Aprecia a beleza do palácio da Câmara Municipal, branco e imponente, e diz baixinho para ti: Que puta de cidade espetacular e bonita. Quero morar aqui! Quando acabares de te babar, continua em frente e sobe a Rua de Ceuta e avança para a rua das Galerias de Paris. O Café Au Lait, costuma ter concertos, o Plano B tb. O Plano B é um bom local para acabar a noite, mas tenta chegar por volta das 3h00 para não teres que lutar com imensa gente que está a tentar entrar.
Não queres ir para o Plano B e estás com fome, certo? É altura de uma francesinha pré-sono, a melhor francesinha que vais arranjar é no Pajú. Fecha por volta das 5 da manhã e é mesmo um restaurante e não um café ou um bar. É ligeiramente mais afastado e isso é bom pq assim podes limpar essa álcool todo que tens no sangue e desenvolver essa fome. Não te vou escrever como é que chegas ao Pajú pq é longo, mas é no 309 da Rua Faria Guimarães. A porta por vezes está fechada e tens que bater.
Se quiseres petiscos, o Museu da Avó na baixa fecha às 4h00. Não é a melhor coisa de sempre mas bate facilmente aquelas pizzas manhosas e os paniques.
Espero que te divirtas e se precisares de mais dicas avisa.
submitted by batataway to porto [link] [comments]